terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Em defesa da Saúde

É desde já um facto, e não uma suposição, que grande parte, se não quase a totalidade da população, desconhece a origem e concepção daquilo que, em diversas circunstâncias adversas ao organismo, dá a possibilidade de nos mantermos saudáveis.

O assunto em questão é a área da saúde, que tanto tem evoluído para que a nossa esperança média de vida venha a aumentar ao longo dos anos e que agora nos permite usufruir da simples abordagem de problemas que há uns poucos anos atrás representariam "o fim do mundo”.

Não terão os organismos geneticamente modificados um papel determinante nessa área tão fundamental à nossa vida?


Os diabéticos, por exemplo, precisam de insulina para manterem os seus níveis de açúcar no sangue em equilíbrio, insulina essa que há uns anos atrás era extraída do pâncreas de porcos para poder fornecer a população diabética. Essa tinha várias desvantagens, como a óbvia necessidade de se ter de matar um elevadíssimo número de porcos para obter uma quantidade
significativa de insulina, juntando o facto de esta ainda poder originar alergias no receptor.

O primeiro organismo geneticamente modificado foi uma bactéria chamada Eschericia coli. Esta foi modificada de modo a integrar o gene humano responsável pela produção de insulina. Posto isto, a bactéria passaria a produzir a insulina humana em doses industriais, uma vez que o processo de reprodução das bactérias é muito reduzido (cerca de 30 minutos). Assim, passaríamos a dispor das quantidades de insulina suficientes para satisfazer a população mundial sem ter de sacrificar milhares de porcos para esse efeito.

Em jeito de conclusão, é possível afirmar que a E. coli transgénica permite a produção de uma proteina necessária a grande parte de pessoas espalhadas por todo o mundo, o que sem esta tecnologia não seria possível. Deparamo-nos com uma situação em que se produziu um organismo geneticamente modificado com resultados notórios para a saúde humana.

Devemos, então, contestar a alteração de um ser vivo para nosso benefício? Do ponto de vista da saúde, a manipulação genética é eticamente aceite sem contestação e do ponto de vista da agricultura e alimentação é condenada? Por quê?

5 comentários:

Anónimo disse...

Ahahah. É o meu comentário: é incrível como o ser humano se ache sempre dentro e fora, por cima e por baixo, nu e vestido, mas sempre e para sempre no âmago da questão. Tem sempre tudo a ver connosco?

Primeiro temos de considerar o seguinte ponto: para que servem, numa óptica fria, os hospitais? Para nada, responderá a nossa jovem interprete Morte, Servirão apenas para me atrasar a mim, que apesar de todos os obstaculos que me erguem, irei sempre vencer. Genética? Aumento da esperança média de vida? Bah, diz ela, uma merda.

Segundo ponto: eticamente, moralmente, ou etecetramente tendo em conta todas as palavras e definições que podemos criar, nada está correcto. Ser humano, humano que é, e ser, que é também apesar de humano tem duas hipóteses: nascer, sobreviver, reproduzir. Nada mais. O resto é treta mecânica e intelectual, porque defeito é nosso que pensemos demasiado nas coisas que não são, no final de tudo, pensáveis.

Terceiro ponto: dissertação sobre será ético ou não manipularmos algo que iremos de qualquer forma manipular, diga deus que sim ou que não.

Reparem. O mundo é um todo, aberto a todo o tipo de evolução. Podemos evoluir com pequenas evoluções? Mas é claro! Valerá a pena dissertar sobre se será ético ou não? Não! Vamos perguntar a um jovem católico o porquê das suas crenças tendo nós em vista um olhar critico de judeu? Ou de muçulmano?

A vida é feita de interpretações, o livre arbítrio está sempre presente. O que nos responsabiliza é o facto de termos desarrumado o quarto - e é nossa responsabilidade arrumá-lo como estava antes de cá chegarmos.

Antes de nos metermos a filosofar sobre o que é que é certo ou não temos de ter a consciência que, até percorrermos esse vagaroso caminho que é a modéstia, tudo é possível, e, egocentricamente, tudo é nosso.

Sem parvoíces, nos somos que nos queremos e infelizmente o mundo é o que quisermos. É penas é acharmos que todas as perguntas têm a ver connosco, e que as respostas saiem sempre da nossa boca!

EM disse...

Sou a favor da modificação genética a favor da saúde. Desde que esta não implique sofrimento/morte desnecessária de animais.
Quanto ao facto de testes em animais, pois bem, de facto estou em conflito comigo mesma pois ainda não tenho uma opinião formada. De facto é dever da ciência encontrar soluções para a vida do homem, mas será que estamos no direito de interferir com outra vida deliberadamente?

No entanto, testes em animais como os de produtos de beleza, são completamente dispensáveis. Mas isso é outra questão.

Aproveito desde já para dar os parabéns ao blog. Que está muito interessante e assecivel. Força!!

EM

Grupo 2 disse...

Olá pessoal!

Conheci o blog através do fórum, e realmente suscitou maior intresse porqu faz parte da matéria que estamos a estudar agora em biologia!

Está intressante este post, e depois dos outros comentários penso que não há muito mais a dizer porque é realmente um tema muito controverso e com direito a várias opiniões.

Continuem com um bom trabalho!

E visitem o nosso **

Alean disse...

Tenho desde já a dizer que só sou a favor, nesta situaçao, pelo resultado mais positivo no que diz respeito aos animais.
Submeter outras espécies, outros seres sencientes tal como nós, a torturas que qualquer humano acha impensável perante a sua própria espécie só demonstra o quão antropocentricamente somos egoístas.
Porque todos os seres têm direitos e todos têm de ser respeitados. Nós podemos falar por nós, mas existem os que não podem falar por si. (Também há quem diga que o facto de certas criaturas não possuirem (todas) as mesmas capacidades de expressão que os seres humanos só demonstra as diferenças que têm de nós e que por isso somos superiores a elas.. bem, deste ponto de vista acho que podem começar a ser feitas experimentações e testes em mudos e outros humanos com alterações/erros cromossomicos que lhes causem deficiências!...)



Por o Homem ser o constante abusador da Natureza, chego a desejar o bem a todas as criaturas existentes desprezando cada vez mais o ser humano.
E tantas são as vezes que me repugna ser humana como muitos outros que, para mim, são tudo menos aquilo que "humano" deveria significar.

Anónimo disse...

Vão todos pó caralho, seus merdas

Enviar um comentário