domingo, 11 de janeiro de 2009

Em defesa da Natureza

Hoje em dia, o Homem usufrui das novas tecnologias de um modo significativo, aliando o seu vasto e crescente conhecimento científico à prática de diversas actividades que tendem a tornar a Natureza cada vez menos uma realidade. Contudo, este acto resulta em alguns benefícios para a sociedade e o indivíduo.

Quando dizemos «natural», referimo-nos àquilo que a Natureza nos dá, aquilo que ela impõe e a que nos expõe, aquilo que cada dia que passa tentamos modificar e melhorar com vista ao nosso benefício. Modificamos geneticamente os alimentos, como o milho e a soja, para resistirem às pragas e serem produzidos em maior quantidade. Alteramos o ADN de animais, como vacas e porcos, para que estes produzam mais proteínas para o consumo. Criamos ratos e coelhos fluorescentes, para. . .

Aqui, não pretendemos abordar os benefícios ou malefícios de conceber organismos geneticamente modificados, mas sim promover a discussão em redor da mais importante questão que se levanta do ponto de vista ético e moral:

Será correcto alterar aquilo que a Natureza nos impõe?

É obvio que obtemos alguns benefícios deste tipo de actividade (assim como alguns malefícios). Produzimos e criamos o que queremos, como se o papel da Natureza fosse insignificante quando equiparado ao domínio Humano. Mas, até que ponto é correcto modificar a Natureza?

16 comentários:

Iuri disse...

Penso que este e um assunto muito importate e é cada vez mais necessaria a sua discussao em prol da segurança de uma sociedade e a sua sobrevivencia! acredito que utilizando estas novas tecnologias poderemos proporcionar uma vida muito mais confortavel a todos os seres humanos, pobres e ricos, pois o seu preço iria baixar!!penso ser uma opçao a ter em conta cada vez mais e a ser aposta de multinacionais...abraços e boa sorte para o vosso trabalho!

Change_That disse...

O poder de criar e/ou destruir é muito subjectivo. Pegando na tese de que o homem está no topo da cadeia alimentar e basicamente possui o Mundo para seu próprio proveito, teremos também de admitir que esse poder, o de manipular o Mundo à sua volta, como vem vindo fazendo há milhares de anos, é, de todo, seu.
A manipulação genética, em comparação, não passa de uma evolução menor, como por exemplo, quando o homem descobriu o fogo, e o utilizou para impor o seu domínio. Da mesma forma, a manipulação genética é uma forma de demonstrarmos à Natureza (que deve de certeza estar completamente farta desta espécie que somos nós) que possuímos mais um sobre-poder. Afinal de contas, estas descobertas não deixam de ser evolução da espécie homo sapiens sapiens. E como seres sapientes que somos, vamos continuar a destruir, como um big bang cosmico que se espande para em seguida se contrair, a criação para a destruição.
Devemos criar vegetais mais doces, nutritivos e baratos? Claro. Será isso correcto? Não.

Fred disse...

Para criar é preciso alterar. Quando construímos uma casa temos de preparar os materiais essenciais e submetê-los a um processo de industrialização, assim como as aves quando executam um ninho à sua medida numa árvore, isto é, alteram, ainda que seja de modo pouco significativo, a imagem natural da árvore. Aqui não existe criação artificial porque: ambas são realizadas por criaturas da natureza, utilizando os materiais da natureza.
Em relação às experiências genéticas (para quem vê ou lê as mais recentes novidades na medicina sabe do que estou a falar) estas, concretizam autênticos "milagres". Contudo, o caminho que é feito até ai (no que diz respeito ao abuso de experiências fracassadas em animais) é penoso e condenável...Mas isto faz parte do plano do homem para aumentar a sua esperança média de vida - há uns séculos era reduzida, mas com o passar dos anos existe uma tendência para o seu aumento. Primeiro foram as vacinas (manipulação da natureza), depois o sistema de saúde e, entre outros factores que contribuíram muito para tal, talvez seja a vez da genética.
A verdade é que as composições genéticas de vários organismos alteraram-se até hoje desde que há vida no planeta, incluindo o nosso. No prisma da ética e da moral não creio que seja errado, apenas existem limites constituídos por linhas deveras ténues. Mas toda a alteração passa pela criação que, como referi atrás, é natural, e, por isso, na minha modesta opinião, creio que a pergunta do tema se torna numa verdade simples e clara...mas tenebrosa e fria ao mesmo tempo.

EM disse...

Podemos questionar esse conceito de Natureza, porque nós, Homem, fazemos as tais 'alterações' com os meios que a Natureza nos deu.
Indo mais directa ao assunto, é um facto que
*com estas alterações estamos a satisfazer necessidades e/ou caprichos imediatos
*As consequencias futuras podem ser negativas tanto para a saúde do Homem, como para o meio ambiente.
È claro que a população humana é enorme, para todos é necessário providênciar alimentos. Como tal temos de arranjar alternativas, mas será isto necessário? Sabemos que há pessoas a morrerem à fome neste momento, mas também sabemos que todos os dias são desperdiçadas TONELADAS de comida. Aqui está uma questão que sinceramente não sei responder, porque é que se investe tanto em produzir novos produtos e não se investe em racionalizar o que já temos? Aqui a economia não é muito famosa.
Para além disto, parece que os alimentos modificados não são nada benéficos para a nossa saúde, no entanto vou optar por não entrar por aí. Pois depende da metalidade altamente consumista e pouco preocupada em questionar o que o mercado lhe oferece, da nossa sociedade.
Quanto à Natureza, nomeadamente à alteração em animais, até que ponto o Homem tem o direito de criar aberrações? Ratos flourescentes?? Vacas com 5 ou 6 patas?? É uma realidade que me transtorna!
Concluíndo a minha opinião, apenas seria a favor das modificações genéticas no caso de alimentos (milho, soja, os q referiram), mas até para isso há soluções, a agricultura biológica. Encontramos alguns aspectos negativos na agricultura biológica, nomeadamente o tempo que demora até ao produto estar pronto, o aspecto do produto (q não é tão bonito, grande e brilhante). . . Todavia arrisco dizer que os seus aspectos negativos são inferiores relativamente a outro tipo de culturas genéticamente modificadas.
De resto, parece-me que a modificação genética é um caminho fácil.

Adolescência (Marisa e Noémia) disse...

Escolheram um tema actual, importante e que necessita de ser discutido! Boa sorte para o vosso trabalho :)

Eduarda disse...

Olá! O tema é interessante e actual e como já deu para perceber é um excelente tema para discussão.
Esperemos que continuem a actualizar o blog, porque pretendemos continuar a vir espreitar o vosso trabalho.

P.S. Obrigado por colocarem o nosso link no vosso blog, nós também já vos adicionamos.

Desafios da Genética disse...

Olá...

Este é um tema que levanta muitas questões éticas. Os OGM nem sempre ou quase nunca fazem só bem, há quase sempre ou sempre alterações negativas nos organimos, quer nos modificados quer nos que os consomem.

Os OGM são um tema abordado também por nós no nosso grupo de AP.

Aguardamos a vossa visita e com ela sugestões se possível.

Boa Sorte =)

Débora disse...

Esta é sem dúvida uma problemática à qual não consigo obter uma resposta metódica, para tal era preciso que eu tivesse uma visão, sobre a mesma, unidireccional, e tal não acontece de todo. Assim sendo, afirmo desde já que não sou completamente a favor, porém menos posso afirmar ainda que sou contra.

Para mim o mais importante é distinguir quais as diferentes aplicações (o que se modifica) da engenharia genética e quais os objectivos (para que se modifica) desta, pois o facto de achar correcto ou não reside aqui mesmo, nestas questões. (não sendo os objectivos um fim para ignorar um meio, as aplicações)

Questões relacionadas à bioética são igualmente de grande importância e a não esquecer, contudo, sou da opinião que determinadas barreiras da ética podem ser ultrapassadas, por exemplo, quando falamos essencialmente de engenharia genética a nível da saúde, uma vez que muitos progressos na medicina devem-se à mesma.

Quanto à questão se será correcto alterar aquilo que a natureza nos impõe… é pertinente mas… não será o que fazemos desde há muito? Eu acho que é, as alterações a nível dos genes só veio revolucionar ainda mais o poder do Homem, e sim o Homem tem o poder de a alterar, contudo, há que conhecer os limites que não devem ser ultrapassados, o Homem tem o dever de saber como usar a inteligência que tem e assim servir as suas necessidades a nível da saúde, de uma melhor produção de vegetais, tudo o que vá muito mais além disso como alteração genética de animais não me parece que seja correcto. Assim, posso concluir que concordo com a alteração genética, contudo de forma controlada e com limites estabelecidos.

Anonymous disse...

Boas a todos,

Como indicado no próprio artigo em discussão, não é possível defender um "não" ou um "sim" aos OGM's com base em factos comprovados. Não há qualquer certeza quanto ao seu impacto seja a nivel alimentar ou ambiental.
A questão em torno dos OGM's penso que se baseie no facto de que, qualquer alteração (da natureeza) acarreta riscos, e no caso dos OGM's não se conhecem os riscos. Será prudente utilizar uma tecnologia que embora já seja tão habilmente dominada, ainda não se reconhecem eventuais riscos para a saúde.

É dificil ter uma posição bem fundamentada, já que a modificação genética permite a resolução de muitos problemas de cariz sócio-económico, e há que considerar que nem todas as alterações genéticas são de origem laboratorial (caso do trigo. tipo 55 tipo xx, etc...). No entanto a minha posição é CONTRA OS OGM's, ("não brinques com aquilo que não conheces bem)...

Cumprimentos e boa sorte no trabalho...

MKAMI

abel disse...

Ora aqui está uma questão bastante interessante para abordar e que espero sinceramente que seja cada vez mais desenvolvida e estudada.

Sou a favor da modificação da Natureza para a realização dos tão conhecidos OGM's. Infelizmente, até aos dias de hoje ainda não possuimos conhecimentos suficientes para fazer uma previsão em termos do impacto que este facto teria não só na nossa qualidade de vida como na Mãe Natureza.

Começando pela qualidade de vida do ser humano; são inegáveis as potencialidades dos OGM's senão vejamos... Continentes assolados com a fome como África e Ásia onde o alimento escasseia e obviamente não chega para as necessidades dos seus habitantes, seria bastante mais proveitoso e útil que as pequenas quantidades de alimento que lá chegam sejam incrementadas com potencialidades adicionais como o tão falado "Golden Rice" para que menores quantidades de alimento possam suprir as necessidades dos habitantes! Este será além de outros um dos grandes pontos a favor dos OGM's!

Quanto à Mãe Natureza existe o risco eminente de com a continuidade desta actividade vir-se a perder as espécies naturais e primitivas devido a cruzamentos com as espécies modificadas pelo Homem... Um dos grandes exemplos é portanto a soja que hoje em dia diz-se que já não é encontrada a espécie totalmente natural como a Natureza nos deu mas sim alterada por mais pequena que seja essa alteração!..

Conclusão.. Os OGM's devem ser estudados Sim, mas com objectivos bem delineados e com estratégias para que se possa usar as potencialidades na alimentação de populações, mas se possa preservar a Natureza intacta tal como ela é já que os riscos de esta ser alterada são desastrosos como bem sabemos..!

animah disse...

"Será correcto alterar aquilo que a Natureza nos impõe?"
a natureza não impõe, a natureza dá e com extrema variedade já por si só. alterar alimentos que se desenvolveram por milhares de anos em harmonia com as nossas necessidades naturais é simplesmente supérfulo ... e destrutivo.
as vontades/manias do mercado não têm como objectivo a saúde dos consumidores, só o lucro rápido. e os OGMs só servem o mercado.

Ritz disse...

Talvez a questão mais importante não seja se é correcto ou nao modificar aquilo que a Natureza nos dá.. A verdade é q inconscientemente o fazemos todos os dias, pq acabamos por ter q adaptar aquilo q nos é fornecido ao nosso bem estar..! E na sociedade em que vivemos é aquilo q mais importa, infelizmente! Mas antigamente as pessoas sobreviviam nao sobreviviam? E recolhiam aquilo que a natureza lhes dava sem qq tipo de alteração! A sociedade de hoje em dia devia fazer o mesmo!

Alean disse...

=) Antes de mais quero felicitar-vos pela excelente opção quanto ao tema do vosso trabalho.
É realmente importante tornarmo-nos cada vez mais conscientes quanto ao que nos rodeia e quanto às influencias específicas das nossas acções.

O Homem tem sempre por objectivo atingir o seu máximo bem-estar. A realidade, e o que cada vez mais se nota, é que não olha a meios para atingir os seus fins, passando por cima de tudo e de todos, destruindo o "natural" tendo o "benéfico" como horizonte e não se preocupando minimamente com outros seres sencientes caracterizando-os sempre como inferiores a ele.

Eu não acho correcto alterar a Natureza. Tudo aquilo a que nos dá acesso é tudo o que realmente precisamos. E se realmente procuramos mais e melhor tudo se deve aos nossos actos irresponsáveis e destrutivos para com ela.

António disse...

A meu ver os organismos geneticamente modificados sao benéficos, embora as suas questões éticas e o problema de se estar a alterar a natureza acho que os ogm podem resolver muitos problemas no mundo mas e claro os ogm podem ser uma soluçao, mas se nao forem controlados vao de certeza virar um problema .

boa sorte com o trabalho

Consultora Educacional disse...

Gosto muito dos artigos de seu Blog. Quando for possível dá uma passadinha para ver meu Curso de Informática online.Emily Nascimento

Anónimo disse...

nunca é bom modificar aquilo que ja é perfeito
nao devemos fazer nada que prejudique a natureza!

Enviar um comentário